LEVÍTICO – O QUE VALE, E O QUE NÃO VALE MAIS?



A leitura que se faz dos Escritos Sagrados, a Bíblia, tem regras de interpretação. Cada seção tem suas próprias regras à parte – Lei, Livros Históricos, Profecias, Livros Poéticos, Evangelhos etc.

A Hermenêutica bíblica estabelece que para se interpretar esses vários livros, há um protocolo a ser seguido. Se isso não é considerado, a leitura é errada e as conclusões são piores ainda.

O livro de Levítico esta no Pentateuco, a Lei, e existem pressupostos para se entender essa seção:

  1.         O texto é literal
  2.         Os relatos são fatos que ocorreram e se tornam ‘tipos’ na seção dos profetas
  3.         Os mandamentos estão por todo o Pentateuco; do Gênesis ao Deuteronômio. Não estão sistematizados, mas são inseridos de acordo com os relatos.
  4.         O texto nos relatos não são autoritativos; a Lei se encontra em preceitos, ordenanças, estatutos, mandamentos e juízos [Gn 26:5].
  5.        Os mandamentos estão em formato positivo ou negativos.
  6.         A  Lei possui 613 preceitos, ordenanças, estatutos e mandamentos – 365 negativos e 248 positivos.
  7.         A Lei possui artigos de ordem – cerimonial, moral, civil, saúde, cultural e locais.
  8.          A Lei foi editada em um regime Teocrático; nos regimes de realeza, e mais tarde de cativeiro, os artigos civis da Lei, eram suspensos.
  9.         Os artigos culturais da Lei, eram mandamentos para o povo de Israel, e não necessariamente mandamentos em tempo posterior na era cristã.

A Lei tem uma Constituição ou os Dez Mandamentos, que se constituem o mínimo da Lei [dos 613 mandamentos]. Os Dez Mandamentos tem uma base que rege toda a Lei – o amor a Deus e amor ao próximo. Ou seja, tudo o que você lê no Pentateuco, incluindo Levítico, é regulado pelo amor.

Seções da Lei - artigos de saúde
Embora não esteja sistematizada, a Lei possui seções  de mandamentos – cerimonial, moral, civil, saúde, cultural e locais.

A seção de mandamentos de saúde é evidenciada pela ciência hoje, por exemplo:

Levítico 11 – é um Tratado de Zoonose; os animais que são alistados como ‘imundos’ são ‘reservatórios’ de micro-organismos que transmitem doenças a humanos.

Levítico 3 :16 – o mandamento proíbe a ingestão [não proíbe transfusão] de sangue e gordura. A ingestão de sangue era um condição moral, e a explicação bíblica é que no “sangue está a vida”. 

Além disso o argumento da saúde deve ser considerado, pois o sangue contem excreções e toxinas; hormônios do animal também estão no sangue e afetam os órgãos dos humanos.
A gordura animal hoje se sabe que é inflamatória no organismo humano e causa a aterosclerose, ou endurecimento das artérias, favorecendo o IAM e o AVC.

Levítico 18 – as relações sexuais que são alistadas como ilícitas, na sua maioria são hoje entendidas como restrições para complicações genéticas. O incesto [vs 6-9] é proibido em seus vários graus [vs11-17].

O argumento de que Adão e Eva permitiram seus filhos a fazer o incesto, porque eles tomaram suas irmãs como esposas e parceiras sexuais, é um argumento verdadeiro. Mas o incesto que ali ocorreu foi devido a instalação do pecado no planeta. Foi uma medida extrema para a sobrevivência da raça humana caída. Mas depois disto o incesto não foi incentivado.

A degradação da raça humana, as muitas doenças, defeitos genéticos, desordens fisiológicas, vieram desse primeiro incesto. 

Deuteronômio 22:11 "Não vestirás de estofos de lã e linho juntamente" - esse artigo da Lei é colocado, por alguns, na seção de saúde. A estática provocada por tecidos de dois ou mais materiais seria a razão para evitar tais tecidos.

A estática causa um desiquilíbrio na eletricidade do corpo humano; e isso a longo prazo pode ser prejudicial.

Outros teóricos colocam esse artigo na seção ambiental da Lei. A Torah possui mandamentos de ordem a proteger o meio ambiente. Essa ordenança dos tecidos está ao lado de outro que diz - "Não lavrarás com junta de boi e jumento" v10. A conclusão é óbvia; os bovinos tem muito mais força que o jumento e colocariam em risco a vida do animal menor.

O quarto mandamento do Decálogo, que é a Constituição de toda Lei, ordena que no dia de descanso os animais deveriam também ser poupados de trabalho e descansarem [Ex 20:10].

A Lei é profunda e vasta, para uma crítica superficial e uma leitura rápida e tendenciosa. Hoje o meio ambiente é tão cercado de leis, mas elas estão nos escritos dos hebreus a 3500 anos.

Artigos culturais
O povo de Israel, no governo Teocrático, tinha um mandamento rigoroso para não se misturar às nações que eram pagãs. E haviam várias ordenanças culturais como “não  cortareis o cabelo em redondo” 19:27. Essa era uma ordenança cultural para que os israelitas tivessem uma aparência distinta dos povos de Canaã que cortavam seu cabelo desta forma. O mesmo ocorria com a barba; os caldeus e os babilônios ‘desenhavam suas barbas’ e o povo de Israel não devia ter esse costume. Mas essa era uma regra para os homens que fossem deixar a barba. É obvio que nem todos os homens tinham barba. Sendo assim era uma ordenança cultural. Haviam dezenas de ordenanças culturais restritas a Israel e aquele tempo.

Duas coisas – a teologia estabelece a diferença entre: ordenança, preceito, mandamento e juízo; e é a teologia sistemática que irá desenvolver o que é cultural e o que é moral, sendo válido ou inválido hoje.

A tatuagem [Lv 19:28] é considerado também uma ordenança cultural, mas tinha conotações espirituais. Os pagãos se tatuavam em rituais aos mortos, aos ídolos e deuses.
A ordenança é descrita em duas partes, sendo a última frase descrita – “não fareis nenhuma marca sobre vós” up. Boa parte dos estudiosos entende que há duas ordenanças aqui. Embora as duas sejam culturais, a última é categórica em não se desenhar, ou tatuar nada sobre o corpo.

Artigos Civis da Lei
Há muitos estatutos de ordem civil. Era o código civil de Israel e legislava sobre: pecuária, agricultura, terras etc.

Enquanto Israel permaneceu na Teocracia esses estatutos deveriam ser seguidos – era Lei.
Mas depois que Israel estava sob a jurisdição de outro Império, essas leis ficavam suspensas.
Dai o motivo de hoje não seguirmos essas regras. Mas elas são as melhores leis civis, porque foram idealizadas por Deus.

Jesus ao se reportar sobre a Lei em seu primeiro discurso (Sermão do Monte) disse que não vinha para abolir a Lei ou destruí-la (Mateus 5:17). E esta Lei que Jesus citava era a Torah ou o Pentateuco, com seus 613 artigos.

Paulo, o grande teólogo da igreja cristã, deixou em sua carta canônica de 1 Timóteo a declaração de que “toda escritura é inspirada e útil” (3:12).

O que está acontecendo aqui? Contradição? De forma alguma. O problema está em nossa exegese textual e regras interpretação.

Os Doutores da Lei no tempo de Cristo assumiam que os artigos da Lei que regiam a pena de morte não estavam mais sobre a jurisdição deles – “A nós não nos é lícito matar ninguém” João 18:31.

Os Doutores da Lei já haviam colocado essa questão diante de Jesus – “E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes? João 8:5. Jesus articulou da mesma forma que a questão do dízimo – “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” Lucas 20:25.

A vigência civil de certos artigos da lei não estavam mais na mão dos judeus. Eles a receberam em uma jurisdição teocrática. Desde aquela época, os reis haviam assumido o poder e posteriormente as nações gentias governavam sobre eles, e a estes se sujeitavam.

O que percebemos é a jurisdição de certos artigos da lei (não sua validade). Em Levítico apedrejar pessoas não está mais no poder da autoridade eclesiástica (já esteve) mas o que dizer do dízimo? Jesus postulou – “dai... a Deus o que é de Deus”.

Calendário da agricultura
Haviam estatutos que regiam o calendário dos plantios e colheitas.
A regra da terra ter um ano de descanso, favorece a recuperação do solo na composição dos nutrientes. Os alimentos estão perdendo seus nutrientes porque monoculturas estão empobrecendo o solo.

A agricultura atual só é possível através dos adubos químicos e pesticidas; mas isso não é o ideal.
Esses estatutos são espiritualizados e se fazem tipologia para eventos escatológicos como – pentecostes, chuva serôdia, chuva temporã, etc.

Conclusão
Criticar a Bíblia não é tão simples. É preciso ler e estudar.

Para cada mandamento, estatuto, preceito e juízo da Lei, há uma razão, existe bênçãos e vida em cada um deles.

Eu sou o Senhor vosso Deus. Não fareis segundo as obras da terra do Egito, em que habitastes, nem fareis segundo as obras da terra de Canaã, para a qual vos levo, nem andareis nos seus estatutos.
Fareis conforme os meus juízos, e os meus estatutos guardareis, para andardes neles. Eu sou o Senhor vosso Deus. Portanto, os meus estatutos e os meus juízos guardareis; os quais, observando-os o homem, viverá por eles. Eu sou o Senhor” Levítico 18:2-5.

POR QUE CELEBRAR O NATAL



É um fato reconhecido por todos os cristãos, que o nascimento de Jesus não foi no dia 25 de Dezembro. Este dia esta relacionado com o solstício, ou a rotação do planeta ao redor do sol; no inverno (dia mais curto do ano) no hemisfério Norte, ocorrendo por volta do dia 22 de dezembro; e 21 de julho no hemisfério Sul.

As civilizações que iniciaram a adoração do sol retrocedem aos sumérios e egípcios; e depois, babilônios, persas, gregos e romanos; todos esses povos criaram suas próprias homenagens ao deus Sol.

Mas foram os romanos que pulverizaram o festival pagão do Sol Invicto, no território do seu império e devido a isso, o dia 25 de dezembro se tornou um dia de festa pagã.

APROPRIAÇÕES
A Igreja cristã fixou a comemoração no dia 25 de dezembro com a intenção de suplantar essas práticas pagãs entre os novos conversos.

Mas essas apropriações da igreja cristã não se restringiram apenas ao segundo e quarto séculos na celebração do solstício. Outras apropriações começaram bem antes.

O idioma e a escrita hebraica foi a primeira grande mudança feita pela a igreja apostólica, que entendeu que o Evangelho de Jesus precisava ser escrito em grego, e não mais em hebraico. A Septuaginta já havia sido elaborada 300 anos antes, e disponibilizava o AT em grego. O império falava e lia o grego, e assim ocorreu uma das principais apropriações culturais - o idioma e a escrita.

Outra significativa apropriação da igreja cristã, do paganismo do primeiro século, foi a substituição da adoração do imperador [césares] para a adoração do seu próprio Rei, Jesus. Isso causou a morte de milhares de cristãos que foram martirizados, por não admitir adorar a imagem do imperador, mas era a continuidade do mandamento de que a Deus apenas, se devia adorar.

Ainda nessa linha de apropriações ao imperador romano, a igreja não mais reconhecia o César como o ‘Kirios’ [título de ´Senhor´, destinado ao imperador] mas transferiu esse título a Jesus, o Deus Encarnado. O Nazareno agora, era e ainda é, o Senhor Jesus [Kirios Iesus].

O Imperio também possuía um sistema de comunicação muito eficiente para levar o ‘Evangelion’ [Boa Notícia] do imperador. O termo ‘evangelho´ era uma expressão romana para os comunicados do imperador. Marcos foi o primeiro a usar esse termo, se apropriando do termo técnico do império e o transformando no evangelho de Jesus Cristo.

A ‘Pax Romana’, expressão latina para ‘Paz Romana’, é o longo período de relativa paz, gerada pelas armas e pelo autoritarismo, experimentado pelo Império Romano que iniciou-se quando Augusto, em 28 a.C., declarou o fim das guerras civis e durou até o ano da morte do imperador Marco Aurélio, em 180 d.C. ‘Pax Romana’ era uma expressão já usada na época, possuindo um sentido de segurança, ordem e progresso para todos os povos dominados por Roma.
O próprio Jesus, como Rei dos Judeus, e instalando o Reino dos Céus, disse – “A minha paz vos dou; não a dou, como o mundo dá” João14:27. Assim Jesus suplantou a ‘Pax Romana’ com o Reino da Graça.

Os romanos em suas cartas saudavam os remetentes com ‘Saúde e Paz’; mas os cristãos se apropriando da expressão e a modificando, usaram em suas cartas – “Graça e Paz” [Fp 1:2; Cl 1:2; 1Ts 1:1; 2Ts 1:2;Tt 1:4; 1Pd 1:2; 2Pd 1:2; Ap 1:4]. Os destinatários dessas cartas, em sua maioria eram de fala grega, por todo o império, e entendiam a expressão que apontava para o Reino dos Céus, e o Senhor Jesus Cristo.

Talvez, a mais popular das apropriações foi o aniversário. O costume de festejar o nascimento de uma pessoa é narrada uma vez apenas na Bíblia, sendo feita pelo Rei Herodes [Marcos 6:21]. Era um costume dos romanos e se espalhou para todo o mundo do ocidente, como um hábito cultural. Até hoje esse costume é muito popular no mundo ocidental contemporâneo. Quem não comemora o próprio aniversário? Por que não comemorar o nascimento de Jesus? O maior dos humanos que já nasceu.

As apropriações culturais também ocorriam nos nomes. O evangelista João Marcos, tinha um nome duplo; Iohannes era um nome judeu, e significa ‘amado de Yahweh’; e Marcos, era um nome romano, que significava, servo de Marte. A mais famosa mudança foi a de Saulo, transformado no Paulo cristão.

O NATAL HOJE
O dia de natal hoje tem o seu significado pleno no cristianismo, e perdeu-se o significado pagão. O fato de ter sido escolhido pelos pagãos, o dia 25 de dezembro, não é um dia marginalizado, ou inapropriado. Pelo contrário, o cristianismo elegeu esse dia e se apropriou dele para Jesus Cristo.

Foi assim com a data da Páscoa importada do judaísmo, e dezenas de outras inserções da cultura deste povo. Hoje o cristianismo é admitido como tendo raízes judaicas. E podemos admitir que os romanos exportaram muitos valores que mais tarde foram apropriados ao cristianismo.

A celebração do Natal é cristã e exalta o maior de todos os nascimentos de um ser humano-divino, o Senhor Jesus Cristo.

Estou feliz, por existir o natal.

FAKE NEWS


Fake News, ou notícias falsas geraram muita indignação em 2017 nas eleições americanas, e em 2018 nas eleições brasileiras. Quem não sentiu na pele o efeito delas?

Mas existem ‘notícias falsas’ na área espiritual e com consequências eternas .

Listo aqui as 10 maiores Fake News ou doutrinas falsas, que tiram bilhões de pessoas da salvação e da eternidade.

1. DEUS É MAU
Deus é amor 1João 4:8. A maior de todas as mentiras de Satanás é aquela que coloca a Deus como um Ser irado, mau, vingativo e tirano.

Deus é retratado nas Escrituras como um Pai que dá a vida de Seu Filho, para salvar os humanos. Ele nos ama mais do que o próprio Filho. Sendo que a linguagem é figurada, sendo o Filho o próprio Deus Encarnado, Ele Deus, não ama a própria vida, e morreu no lugar dos humanos para os manter vivos.

2. MARIA SALVA
Talvez a “mãe” de todas as falsas doutrinas seja aquela que coloca Maria, a mãe de Jesus, no céu como intercessora e salvadora dos cristãos católicos.

“Como diz Santo Irineu, "obedecendo, se fez causa de salvação tanto para si como para todo o gênero humano". Do mesmo modo, não poucos antigos Padres dizem com ele: "O nó da desobediência de Eva foi desfeito pela obediência de Maria; o que a virgem Eva ligou pela incredulidade a virgem Maria desligou pela fé”. Comparando Maria com Eva, chamam Maria de "mãe dos viventes" e com freqüência afirmam: "Veio a morte por Eva e a vida por Maria”. Catecismo Católico; Cap.2; prgf. 494.
“Assunta aos céus, não abandonou este múnus salvífico, mas, por sua múltipla intercessão, continua a alcançar-nos os dons da  salvação eterna. (...) Por isso, a bem-aventurada Virgem Maria é invocada na Igreja sob os títulos de advogada, auxiliadora. protetora, medianeira[a37]." Catecismo Católico; Cap.6; prgf. 969.

Maria, no entanto, era humana. Nem sequer é mencionada no restante do NT [somente na narrativa dos Evangelhos] e nunca foi inserida ou mencionada na teologia dos apóstolos.

3. O PERDÃO PODE SER OBTIDO ATRAVÉS DA CONFISSÃO AOS PADRES
A terceira maior mentira, ou fake News, na área doutrinária é esta. Seres humanos, mesmo empossados em cargos eclesiásticos, não podem ouvir a confissão dos pecados humanos, e jamais poderiam perdoar esses pecados.

Os que ouvem confissões e se atrevem a oferecer perdão, estão trabalhando contra Jesus e Seu ministério celestial.

“Se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação [pagamento] pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo” 1João 2:1,2.

4. AS BOAS OBRAS SALVAM
Outra doutrina que alcança tanto espíritas como segmentos evangélicos, é a falsa doutrina de que nossas boas obras nos salvariam. No entanto a salvação ocorre apenas pela fé em Jesus Cristo e no que Ele fez.
“Pela Graça sois salvos, mediante a fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus” Efésios 2:8.

5. A OBEDIÊNCIA A LEI SALVA
As principais mentiras ou falsas doutrinas estão no âmbito da salvação dos humanos. E aqui também está a falsa crença de que uma obediência a Lei de Deus, salvaria o ser humano. No entanto, a salvação ocorre apenas pela fé, independente das obras da lei, ou da obediência da lei. O que ocorre é que a obediência à Lei, é resultado da salvação.

“Ninguém será justificado [ou salvo] diante Dele [Deus] por obras da Lei, em razão de que pela Lei vem o pleno conhecimento do pecado” Romanos 3:20. [...]“Concluímos que o homem é justificado [ou salvo] pela fé, independente das obras da Lei" Romanos 3:28.

As obras da Lei apenas são uma evidência da salvação no evento do Juízo.

6. A LEI FOI ABOLIDA
Na mesma linha de raciocínio sobre a salvação, uma outra fake news, uma das mais nesfastas mentiras é de que a Lei de Deus, por não salvar, teria sido abolida.

No entanto a teologia dos apóstolos colocam a Lei no seu devido lugar – a Lei define o que é pecado [Romanos 7:7]. Afirmar que a Lei foi abolida é admitir que não existe mais definição para o pecado, e tudo seria permitido.

Jesus categoricamente afirmou no seu primeiro sermão – “Não pensem que vim abolir a Lei... nem um jota, nem ul til passará da Lei” Mateus 5:17 e 18.

7. O ANTIGO TESTAMENTO NÃO É MAIS VÁLIDO
Ainda nesta linha de raciocínio sobre validade, há uma falsa crença que afirma que o Antigo Testamento não é mais válido e não precisa ser obedecido. A teologia dos apóstolos não fundamenta isso, afirmando –“Toda a Escritura é divinamente inspirada por Deus e útil para o ensino” 1Timóteo 3:16.

Quando Paulo escreveu isso, não existia o Novo Testamento ainda, e ele se referia principalmente ao Antigo Testamento.

8. AS PESSOAS QUANDO MORREM VÃO PARA O CÉU
Essa falsa doutrina é a mais antiga de todas e foi idealizada pelo próprio Satanás na sua primeira mentira aos humanos [Gênesis 3:4up] – “certamente não morrereis” – fundamentando a mais antiga ‘fake news’ da história humana: a imortalidade da alma.

Jesus em uma só frase desarticulou essa crença ao ensinar a ressurreição – “vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação” João 5:28,29.

Ou seja, os mortos estão no sepulcro [debaixo da terra] aguardando a ressurreição.

9. O PAPA É O SUBSTITUTO DE JESUS NA TERRA
Jesus estabeleceu que o Deus Espírito Santo viria em Seu lugar, e estaria para sempre conosco – “Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da Verdade” João 14:15 e 16.

A prerrogativa de se colocar como substituto de Jesus aqui na terra [Vicarius Filli Dei] é uma blasfêmia; é o primeiro de todos os pecados contra o Espírito Santo.

10. DEUS NÃO EXISTE
A mais recente de todas as fake News é o ateísmo.
E junto com essa mentira vêm um ‘combo’ de outras 'fake news' para enganar os humanos:
- O Diabo também não existiria
- O Evolucionismo seria a explicação para origem da vida
- A Bíblia seria um invenção ou manipulação humana
- Jesus seria um ser humano historicamente normal
- O Cristianismo seria um movimento como outro qualquer

Não sei se você percebeu mas 5 das 'fake news' alistadas são de origem do maior movimento religioso do planeta: a igreja católica apostólica romana. Outras quatro também são ensinadas pelos protestantes de forma geral.

A EXTREMA DIREITA NO TEMPO DO FIM

A política sempre esteve como parte do cenário profético. Na profecia da História das Nações [Daniel 2] o profeta indica que o imperador totalitário era a “cabeça” [Daniel 2:38up] de uma hierarquia de nações.

No Apocalipse as 3 Bestas [11:7; 13:1 e 13:11] são reinos políticos e mais atuais no tempo profético, correspondendo ao estado, ou um segmento político específico - a extrema direita.

A 3ª Besta é uma instituição estatal que tem essa vertente de extrema direita:
Extrema Direita – religiosa e estado intolerante
Direita – religiosa e estado laico
Centro – estado laico e liberdade religiosa
Esquerda – estado laico e ateísmo
Extrema Esquerda – ateísmo e abolição do cristianismo

A 3ª Besta [Apocalipse 13:11] é interpretada como a nação Norte Americana, os EUA, que de acordo com a profecia, apresentará aspectos religiosos, mas intolerantes:

-v12a “exerce toda a autoridade” – o autoritarismo é uma marca da extrema direita
-v12b “autoridade da primeira besta” – a autoridade papal [primeira besta] foi um dos maiores exercícios de autoritarismo de toda a história política
-v12c “faz com que a terra e seus habitantes” – a manobra das massas é marca da extrema direita e extrema esquerda
-v14a “seduz os que habitam sobre a terra” – a manipulação das massas, neste caso, se dá pelo capitalismo, materialismo e consumismo. A sedução da extrema esquerda se dá pelo liberalismo sexual, liberdade de expressão e anarquia. [Leia aqui as origens da política de esquerda]
-v14b “sinais que foi dado a executar” – a extrema direita norte-americana está relacionada com os evangélicos, pentecostais e carismáticos; esse é um aspecto religioso da profecia
-v14d – “façam uma imagem à besta” – a reprodução do autoritarismo religioso do papado, será repetido pela política de extrema direita norte-americana
-v15a – “folego à imagem da besta” – os EUA irá devolver ao Vaticano o poder religioso que este tinha na Idade Média; isso reavivará o espírito de intolerância religiosa
-v15c –“fizesse morrer todos que não adorassem a imagem da besta” – a instituição da pena de morte a nível global

O governo de Donald Trump cumpre esse perfil de intolerância religiosa, retirada da liberdade religiosa e implementação da pena de morte.

Não somente nos EUA mas no Brasil, a extrema direita são a tendência política no cenário governamental.

Seja pelo ateísmo e liberalidade da extrema esquerda, ou a intolerância e conservadorismo da extrema direita, o mundo está em uma rota de decadência.

Aqueles que acreditam na leitura apocalíptica de – intolerância religiosa, perseguição e pena de morte – entendem que a extrema direita é o cumprimento da profecia nos EUA.

Os protestantes dos Estados Unidos serão os primeiros a estender as mãos através do abismo para apanhar a mão do espiritismo; estender-se-ão por sobre o abismo para dar mãos ao poder romano; e, sob a influência desta tríplice união, este país seguirá as pegadas de Romadesprezando os direitos da consciência.” GC 588.1

O protestantismo norte-americano se caracteriza hoje, como a extrema-direita. Será essa a última vertente política deste mundo, revelada pela profecia como a Terceira Besta. Os EUA será um estado político-religioso [como Roma no passado] que fará imposições sobre o mundo. A liberdade religiosa será retirada, para a imposição da união com a religião de Roma. O protestantismo se unirá ao catolicismo em doutrinas bases e assim estará feito a "imagem da besta" que recuperará seu prestígio político como no passado. O resultado será - perseguição e pena de morte.

“Os dignitários da Igreja e do Estado unir-se-ão para subornar, persuadir ou forçar todas as classes... A falta de autoridade divina será suprida por legislação opressiva. A corrupção política está destruindo o amor à justiça e a consideração para com a verdade; e mesmo na livre América do Norte, governantes e legisladores, a fim de conseguir o favor do público, cederão ao pedido popular de uma lei... A liberdade de consciência, obtida a tão elevado preço de sacrifício, não mais será respeitada. No conflito prestes a se desencadear, veremos exemplificadas as palavras do profeta: “O dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao resto da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo.” Apocalipse 12:17. GC 592.3

Hoje nos encontramos em uma encruzilhada moral em nosso mundo; ou apoiamos a extrema esquerda, que exclui Deus e estabelece as bases do ateísmo; ou apoiamos a direita que promove a religião, mas com extremismo e exclusão da liberdade religiosa.

A profecia já nos revelou que será a extrema direita que tomará conta do cenário mundial em nosso planeta.

Mantenha a esperança e persevere; a profecia de Daniel 2 nos oferece um final feliz para o cenário político mundial - "Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo. Destruirá todos esses reinos e os exterminará, mas esse reino durará para sempre.
Esse é o significado da visão da pedra que se soltou de uma montanha, sem auxílio de mãos, pedra que esmigalhou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. "O Deus poderoso mostrou ao rei o que acontecerá no futuro. O sonho é verdadeiro, e a interpretação é fiel". Daniel 2:44,45

A POSTURA DO CRISTÃO NAS QUESTÕES POLÍTICAS


Questões políticas
Os que ensinam a Bíblia em nossas igrejas e escolas, não se acham na liberdade de se unir aos que manifestam seus preconceitos a favor ou contra homens e medidas políticas, pois assim fazendo, incitam o espírito dos outros, levando cada um a defender suas idéias favoritas. Existem, entre os que professam crer na verdade presente, alguns que serão assim incitados a exprimir seus sentimentos e suas preferências políticas, de maneira que se introduzirá na igreja a divisão.

O Senhor quer que Seu povo enterre as questões políticas. Sobre esses assuntos, o silêncio é eloqüência. Cristo convida Seus seguidores a chegarem à unidade nos puros princípios evangélicos que são positivamente revelados na Palavra de Deus. Não podemos, com segurança, votar por partidos políticos; pois não sabemos em quem votamos. Não podemos, com segurança, tomar parte em nenhum plano político. [...]

Os que são genuinamente cristãos são ramos da Videira verdadeira, e darão o mesmo fruto que ela. Agirão em harmonia, em comunhão cristã. Não usarão distintivos políticos, mas os de Cristo.

Que devemos então fazer? — Deixai os assuntos políticos em paz. [...]

Há uma grande vinha a ser cultivada; mas, conquanto os cristãos tenham de trabalhar entre os incrédulos, não se devem parecer com os mundanos. Não devem gastar seu tempo a falar de política e agir em favor dela; pois assim fazendo, dão oportunidade ao inimigo de penetrar e causar desinteligências e discórdias. [...]

Os filhos de Deus têm de se separar da política [...] Não tomeis parte em lutas políticas. Separai-vos do mundo, refreai-vos quanto a introduzir na igreja ou escola idéias que hão de levar a contendas e perturbações. As dissensões são o veneno moral introduzido no organismo pelos seres humanos egoístas. — Obreiros Evangélicos, 391, 392, 395.

O perigo das declarações precipitadas
Ensinemos o povo a conformar-se em todas as coisas com as leis de seu Estado, quando assim podem fazer sem entrar em conflito com a lei de Deus. — Testimonies for the Church 9:238.

Alguns de nossos irmãos têm escrito e dito muitas coisas que são interpretadas como contrárias ao Governo e à lei. Está errado expor-nos dessa maneira a um mal-entendido geral. Não é procedimento sábio criticar continuamente os atos dos governantes. A nós não nos compete atacar indivíduos nem instituições. 

Devemos exercer grande cuidado para não sermos tomados por oponentes das autoridades civis. Certo é que a nossa luta é intensiva, mas as nossas armas devem ser as contidas num simples “Assim diz o Senhor”. Nossa ocupação consiste em preparar um povo para estar de pé no grande dia de Deus. Não devemos desviar-nos para procedimentos que provoquem polêmica, ou suscitem oposição nos que não são da nossa fé. [...]

Tempo virá em que expressões descuidadas de caráter denunciante, displicentemente proferidas ou escritas pelos nossos irmãos, hão de ser usadas pelos nossos inimigos para nos condenarem. Não serão usadas simplesmente para condenar os que as proferiram, mas atribuídas a toda a comunidade adventista. Nossos acusadores dirão que em tal e tal dia um dos nossos homens responsáveis falou assim e assim contra a administração das leis desse governo. 

Muitos ficarão pasmos ao ver quantas coisas foram conservadas e lembradas, as quais servirão de prova para os argumentos dos nossos adversários. Muitos se surpreenderão de como foi atribuído às suas palavras um significado diferente do que era a sua intenção. Sejam nossos obreiros cuidadosos no falar, em todo tempo e sob quaisquer circunstâncias. Estejam todos precavidos para que, por meio de expressões imprudentes, não tragam sobre si um tempo de angústia antes da grande crise que provará os seres humanos. [...]

Devemos estar lembrados de que o mundo nos julgará pelo que aparentamos ser. Que os que buscam representar a Cristo exerçam o cuidado de não exibir traços incoerentes de caráter. Antes de assumirmos um lugar definido na linha de frente, certifiquemo-nos de que o Espírito Santo nos tenha sido concedido lá dos altos Céus.

 Quando isso acontecer, pregaremos uma mensagem definida, que será, porém, de espécie muito menos condenatória do que a de alguns; e os que crerem terão muito mais interesse na salvação de nossos oponentes. Deixemos inteiramente com Deus o assunto de condenar as autoridades e governos. Com humildade e amor, defendamos, como sentinelas fiéis, os princípios da verdade tal como é em Jesus. — Testimonies for the Church 6:394, 395, 397.

A ORIGEM DAS FILOSOFIAS PARTIDÁRIAS



A Origem de tudo
As Filosofias Partidárias surgiram no Tempo do Fim, em um contexto profético [Leia aqui]

Essa filosofia dos partidos teve sua origem da eterna luta entre ricos e pobres. E resultou na política de esquerda e direita, a partir dos pensadores na era do modernismo, Revolução Industrial e Capitalismo Moderno.

Aparecem a partir de 1844, as obras de pensadores como: Saint-Simon, Fourier, Owen, Louis Blanc, Proudhon. A palavra "socialismo" teria sido imaginada por Pierre Leroux em 1832. Em 1839, a chamada "Liga dos Justos", sociedade alemã que adotava a divisa "todos os homens são irmãos", junto à entidade secreta "Estações", de Blanqui e Barbès, que também promoeveu a fracassada insurreição operária em Paris.

A Filosofia da Esquerda
A esquerda se caracteriza pela defesa de uma maior igualdade social. Normalmente, envolve uma preocupação com os cidadãos que são considerados em desvantagem em relação aos outros e uma suposição de que há desigualdades injustificadas que devem ser reduzidas ou abolidas.

Os termos "direita" e "esquerda" foram criados durante a Revolução Francesa (1789–1799), e referiam-se ao lugar onde políticos se sentavam no parlamento francês, os que estavam sentados à direita da cadeira do presidente parlamentar foram amplamente favoráveis ao Ancien Régime.

O uso do termo "esquerda" tornou-se mais proeminente após a restauração da monarquia francesa em 1815 e foi aplicado aos "Independentes". Mais tarde, o termo foi aplicado a uma série de movimentos sociais, especialmente o republicanismo, o socialismo, o comunismo e o anarquismo. Atualmente, o termo "esquerda" tem sido usado para descrever uma vasta gama de movimentos, incluindo o movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas. Fonte: Wikkipedia

Quem são os idealizadores
A Filosofia socialista e comunista de uma sociedade justa e harmônica foi idealizada por Karl Max.
O sociólogo, historiador e economista alemão Karl Heinrich Marx (1818-1883)  foi o principal pensador do marxismo, movimento filosófico e político nomeado em sua homenagem. Junto com Friedrich Engels (1820-1895), Marx detalhou sua teoria política e previu o colapso do sistema capitalista (baseado na propriedade privada).

Nos livros que fundamentaram o socialismo e depois o comunismo, Karl Marx, ataca o que ele imaginava ser o problema no capitalismo - a família:
A propriedade privada somente poderá ser suprimida quando a divisão do trabalho puder ser suprimida. A divisão do trabalho, porém, na sua origem, não é nada mais do que a divisão do trabalho no ato sexual, que mais tarde se torna a divisão do trabalho que se desenvolve por si mesma. A divisão do trabalho, por conseguinte, repousa na divisão natural do trabalho na família e na divisão da sociedade em diversas famílias que se opõem entre si, e que envolve, ao mesmo tempo, a divisão desigual tanto do trabalho como de seus produtos, isto é, da propriedade privada, que já possui seu germe na sua forma original, que é a família, em que a mulher e os filhos são escravos do marido”. [Karl Marx e Friedrich Engels: A Ideologia Alemã]. (IZALCI, 2014, p. 4).

No livro assinado por Engels “A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado”. Nesta obra Engels, seguindo Marx, sustentava que nos primórdios da história não teria existido a instituição que hoje denominamos de família. (IZALCI, 2014).

Desse desprezo filosófico pela família, vieram vertentes do viés de esquerda, que necessariamente não são posturas políticas mas, com tendências anarquistas:
-feminismo
-movimentos de liberação sexual
-movimentos de liberação das drogas
-sindicatos trabalhistas
-guerrilhas

Os Protagonistas
Friedch Angels Nasceu, 28 de novembro de 1820 — Londres, 5 de agosto de 1895) foi um empresário industrial e teórico revolucionário alemão que junto com Karl Marx fundou o chamado socialismo científico ou marxismo. Ele foi coautor de diversas obras com Marx, sendo que a mais conhecida é o Manifesto Comunista. Também ajudou a publicar, após a morte de Marx, os dois últimos volumes de O Capital, principal obra de seu amigo e colaborador.

Grande companheiro de Karl Marx, escreveu livros de profunda análise social. Entre dezembro de 1847 a janeiro de 1848, junto com Marx, escreve o Manifesto do Partido Comunista.

O que conhecemos hoje como a política de esquerda, nada mais é de um desenvolvimento atualizado dos princípios de karl Marx e Friedch Angels.

Karl Marx escreveu - "A religião é o suspiro da criatura oprimida, a alma de um mundo sem coração, tal como é o espírito das condições sociais, de que o espírito está excluído. Ela é
opium do povo." [MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. “Crítica da Filosofia do Direito de Hegel”. In: MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. Sobre a Religião. Lisboa: Edições 70, 1975; p.47]

Conclusão
As Filosofias partidárias tem suas origens no grande Conflito entre o bem e o mal.
Tanto a esquerda como a direita tem suas filosofias para enganar e seduzir os cristãos.
Esteja atento para aquela que tem a finalidade de tirar a Liberdade Religiosa ou seduzir para os hábitos de vida deste mundo.

TEMPO DO FIM E OS ENGANOS SATÂNICOS



O Tempo do Fim é entendido na profecia bíblica como sendo aquele após o último período de tempo anunciado pela profecia.

A última profecia de tempo, é a de Daniel 8:14 – “Até duas mil e trezentas tardes e manhãs e o santuário será purificado”. Depois deste tempo profético, resta apenas o Tempo do Fim.

As “duas mil e trezentas tardes e manhãs” se referem a um período de 2.300 anos, que começaram no ano 457aC [Daniel 9:25 – a reconstrução de Jerusalém]  e terminam em 1844, no século 19. Sendo assim o Tempo do Fim é o período após 1844, os últimos 174 anos que estamos vivendo no momento.

Últimos Dias – Jesus inaugurou ao vir ao mundo – Hebreus 1:1
Fim do Tempo – Período antes de 1844
Tempo do Fim – Período depois de 1844
Fim do Mundo – Evento que culmina com a Segunda Vinda de Cristo; não tem data prevista

A gravidade do Tempo do Fim
Esse último período antes do Fim do Mundo [Mateus 24:3 up], os últimos 174 anos, é um período em que Satanás está irado com os habitantes do planeta [Apocalipse 12:12 up].
Nos limites do tempo de 1844, ocorrem grandes investidas de Satanás para enganar o mundo. É o último período e grandes mentiras são trazidas em várias formas.

O Engano da Evolução
O livro “Origem das Espécies, do naturalista britânico Charles Darwin, apresentando a Teoria da Evolução, foi publicado em 1859. Darwin nasceu em 1809, era estudante de medicina; abandonou o curso para fazer teologia, e posteriormente desenvolveu a Teoria da Evolução. Em 1836 Darwin já era conhecido no meio científico pelos fundamentos dessa teoria.

O Engano do Espiritismo
Allan Kardec nasceu em 1803, e se tornou conhecido como o fundador do Espiritismo ou Doutrina Espírita. Foi um dos pioneiros na pesquisa científica sobre fenômenos paranormais (mediunidade). Em 18 de abril de 1857, publicou O Livro dos Espíritos, considerado como o marco de fundação do Espiritismo; criou a Revista Espírita em 1 de janeiro de 1858; fundou, nesse mesmo ano, a primeira sociedade espírita Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. [Fonte: Wikkipedia]

A mentira do pentecostalismo
William Seymour (1870-1922) foi o idealizador deste movimento que tem sua origem no final da segunda metade do século 19; apesar de se reconhecer o começo do movimento pentecostal como tendo início no ano 1906 em Los Angeles nos Estados Unidos na Rua Azuza, onde houve um grande avivamento caracterizado principalmente pelo “batismo com o Espírito Santo” evidenciado pelos dons do Espírito (glossolalia, curas milagrosas, profecias, interpretação de línguas e discernimento de espíritos). Fonte: Portal São Francisco

O pentecostalismo é uma tentativa humana de reproduzir a experiência sobrenatural que só pode ser concedida pelo Espírito Santo, em eventos sobrenaturais conhecidos biblicamente como Chuva Temporã [pentecostes apostólico do primeiro século] e a Chuva Serôdia, o segundo pentecostes do Tempo do Fim.

A mentira dos falsos profetas
O século 19 foi cenário do Terceiro Reavivamento espiritual norte-americano. Os EUA era uma terra de protestantes e o povo tinha na religião a base da nação. No mesmo período que Deus levanta a Igreja Remanescente e sua profetisa para o Tempo do Fim, vários falsos profetas surgem para enganar:

-Joseph Smith - foi o fundador e primeiro presidente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Ele e cinco amigos organizaram a Igreja em Fayette, Nova York, no dia 6 de abril de 1830. Ele presidiu a Igreja até 27 de junho de 1844. Fonte: Sala de Imprensa Mormon

-Charles Tazel Russel – nasceu em Allegheny, EUA, em 16 de fevereiro de 1852. Organizou uma associação cristã cujos membros eram conhecidos como "Estudantes da Bíblia". Muitos grupos foram fragmentados; dsde 1931 os Estudantes da Bíblia , são chamados de Testemunhas de Jeová. Em fevereiro de 1881, foi cofundador da Sociedade Torre de Vigia de Sião A organização atual das Testemunhas de Jeová começou no fim do século 19. Fonte: jw.org

- Irmãs Fox - Katherine "Kate" Fox (1837–1892), Leah Fox (1814–1890) e Margaret "Maggie" Fox (1833–1893).  Fizeram sucesso por muitos anos como médiuns que diziam possibilitar espíritos a se manifestarem por batidas (tiptologia). Os eventos sobrenaturais que desencadearam essa doutrina ocorreram na noite de sexta-feira, 31 de março de 1848.

A Política Marxista
Karl Heinrich Marx (1818-1883) era um sociólogo, historiador e economista alemão; e foi o principal pensador do marxismo, movimento filosófico e político nomeado em sua homenagem.
Junto com Friedrich Engels (1820-1895), Marx detalhou sua teoria política e previu o colapso do sistema capitalista (baseado na propriedade privada). Junto com a filosofia política idealizada por eles veio uma cosmovisão contrária aos valores do cristianismo, que permeiam hoje todas as nações. [Leia política da esquerda partidária]

Era da Pós-Verdade
Todas esses fatores surgiram no século 19, o século do início do Juízo Celestial. O Tempo do Fim é um período solene da história humana, e alvo da grande ira de Satanás em inundar a Terra com mentiras e filosofias falsas.

Valores, conceitos e hábitos tem de ser avaliados sobre essa perspectiva a fim de nos resguardarmos da mentira e enganos do Tempo do Fim.

 Leia também:
A Origem das Filosofias Partidárias
A Era da Pos Verdade 

NOVELAS & SÉRIES NETFLIX - QUAL A DIFERENÇA?


As séries de TV, mais especificamente as da NETFLIX são muito parecidas com as tradicionais novelas. A fórmula das séries abordam assuntos de interesse dos mais jovens, mas são tecnicamente novelas com uma temática mais variada.

As novelas seguem uma fórmula de uma estória e permanecem por 6 a 8 meses. As séries percorrem temporadas e podem ficar até 10 anos como a famosa Friends, uma 'sitcom' [série cômica] de 236 episódios.


Por que séries ou novelas são inadequadas para os cristãos?

1. Ambas fornecem a doutrinação para as coisas deste mundo. Enquanto a Bíblia conceitua os crentes sobre as coisas espirituais, as séries e novelas conceituam sobre as coisas da 'carne', ou as paixões pecaminosas.

2. "Somos transformados pela contemplação" [DTN; 312.2]; e o tempo que se passa a ouvir e ver a filosofia propagada por aquele veículo, seja a novela ou a série, nós somos conceituados por essa filosofia. Essa é uma guerra pela mente das pessoas. Satanás quer nos fazer à sua imagem e nossa mente  ser formatada por seus conceitos. Por outro lado Deus quer nossa mente reformulada por Sua justiça e que retornemos à Sua imagem e semelhança.

3. O conteúdo - as novelas são basicamente contos de romance, e passam valores para relacionamentos; ali são expostas relações de adultério, traição, divórcio, fornicação, desvios sexuais, ira, egoísmo, ciúmes etc. As séries são mais variadas em seu conteúdo; há séries cômicas, de ficção, séries policiais, terror, romance etc. E o conteúdo é violência, irreverência, fornicação, sexo livre, perversão sexual, crime, drogas etc. Satanás quer que sejamos como ele - violentos, homicidas, falsos, corruptos e cheios de maldade. O seu instrumento para nos tornar iguais a ele são as coisas deste mundo.

4. O vício - séries ou novelas viciam. A adrenalina ou oxcitocina, liberadas pelo envolvimento que se tem com as tramas, são viciantes. As séries exploram isso bem mais que as novelas, por terem um 'cardápio' mais amplo e diversificado. As séries que exploram ação e violência são difíceis de serem assistidas em um só episódio. Muitas séries são liberadas por temporada no Brasil e alguns seguidores assistem a todos os episódios em um fim-de-semana ou menos.

5. A espiritualidade - nossa espiritualidade é afetada com o tipo de entretenimento que temos. Sejam séries ou filmes, eles nos inspiram; seja para o bem ou para o mal. Há séries e novelas que simplesmente estão nos afastando de Deus. Quanto mais enchemos nossa mente com essas cenas, menos queremos saber da Bíblia ou de relacionamento com Deus. Menos se lê a Bíblia e muito menos se ora.

6. O caráter é afetado - assim como a leitura de um livro muda os nossos conceitos e hábitos, as novelas e séries também mudam nosso caráter. Séries violentas, despertarão a violência; novelas irreverentes, nos tornarão irreverentes. "Contemplarão imagens e ouvirão sons, e estarão sujeitos a influências desmoralizantes que, a menos que delas se guardem inteiramente, imperceptível mas seguramente lhes corromperão o coração e deformarão o caráter”. LA; 408.

7. Entretenimento insalubre - esse tipo de entretenimento não faz a mente descansar, pelo contrário, são entretenimentos que acionam drogas endógenas em nosso corpo e desencadeiam reações estressantes.

8. Tempo - as séries pelo seu número variado e duração das temporadas consomem muito do tempo útil. Enquanto poderia se estar praticando um esporte, ou usando o tempo para relacionamentos saudáveis, a novela e principalmente as séries nos roubam essas experiências.

9. Filosofia - toda série e novela carregam uma filosofia de vida. Nós cristãos somos chamados a viver uma filosofia de vida separada dos valores deste mundo.

10. Fanatismo - as séries e as novelas produzem fãs. As séries tem o poder de fazer as pessoas a adotarem hábitos como colecionar ítens, se vestir como o tema abordado, comprar coisas relativas à série, acompanhar os atores, ter ídolos e sermos seus seguidores.

Nosso ídolo e herói é Jesus Cristo; somos discípulos ou seguidores Dele.

Não permita-se ser enganado ou entretido com outras coisas.


Dicas:
1. Escolha séries boas para assistir.
2. Evite assistir tudo de uma só vez.
3. Fique longe das séries agitadas e emocionantes - elas viciam.
4. Reserve um tempo fixo para esse tipo de entretenimento, e não exceda em dias ou horas.
5. Leia livros.
6. Viva a vida, pratique esportes e se relacione com pessoas.

O CHOCOLATE NOSSO DE CADA DIA


“A ideia não é estragar a sua Páscoa, mas achamos que você deveria saber: uma barra de chocolate comum contém, em média, 8 pedaços de baratas, segundo a Food and Drugs Administration (FDA), o órgão que faz o controle dos alimentos e remédios lá nos EUA.

Para o orgão fiscalizador norte-americano, até então, desde que não haja mais do que 60 pedaços de baratas em cada 100 g de chocolate, está tudo bem e a gente pode se esbaldar, disse o alergista Morton M. Teich” 
Fonte: Super Interessante

“Entre as partes microscópicas de matérias estranhas que podem ser encontradas em alimentos embalados [industrializados] estão partes de insetos e de roedores. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou... uma resolução que define limites de tolerância para matérias estranhas em alimentos e bebidas. Entre essas partes microscópicas de matérias estranhas que podem ser encontradas em alimentos embalados estão partes de insetos e de roedores. Fonte: Último Segundo

“Provavelmente não será muito agradável ler isso logo após a Páscoa, mas de acordo com a Food and Drugs Administration (FDA), órgão que controla alimentos nos EUA, cada barra de chocolate contém, em média, oito pedaços de baratas. As informações são da ABC News.

Ainda segundo a FDS, todos os alimentos industrializados, possuem contaminantes naturais e esses números são considerados normais. Para eles, um chocolate de 100 g pode ser comercializado com até 60 pedaços de insetos.  Claro que as baratas não fazem parte dos ingredientes, mas traços e partes de insetos são moídas com o doce e podem afetar pessoas com alergias e asma. Alguns efeitos colaterais incluem dores de cabeça, comichão ou urticária. Fonte: IstoÉ

A situação se torna mais agravante para os cristãos pois, a Bíblia proíbe a ingestão de alimentos imundos. Em Levítico 11, são descritas 5 categorias de 'carnes imundas' que são proibidas por Deus.

E os insetos são animais imundos, de acordo com Levítico.

Os alimentos contaminados com esses insetos, também são imundos ou transmitem doenças.

A restrição alimentar em Levítico 11 é para que os humanos não se contaminem. O uso do termo 'imundo' em Levítico, indica a contaminação por micro-organismos. O capítulo 11 de Levítico é considerado um Tratado de Zoonose - doenças transmitidas de animais para os humanos.

As 5 categorias de 'carnes' proibidas por Deus são:
-animais da terra [que não ruminam  não tem a unha fendida]
-animais da água [que não possuem escamas e barbatanas]
-animais do ar [aves rapinantes]
-insetos [que não tem 4 patas e não saltam]
-todos roedores anfíbios e répteis

As baratas no chocolate são apenas uma das dezenas de contaminações que existem hoje nos alimentos industrializados. Fique atento.

O REAL SIGNIFICADO DA PÁSCOA


Cristãos não comemoram a Páscoa; cristãos celebram a Santa Ceia.

O cristão é regido pelos conceitos bíblicos; e de acordo com a definição bíblica a Páscoa era uma festa judaica, com o formato de uma ceia familiar.

Não era uma simples ceia, era uma cerimônia cheia de significado e símbolos.

Nesta ceia o cardápio era fixo - um cordeiro assado, ervas amargas, pão sem fermento [ázimo] e vinho sem fermento [suco da vide].

Todos esses elementos da ceia apontavam para o Messias e preparavam o adorador para Sua chegada; entendendo devidamente o significado da Páscoa e sua ceia, o adorador iria receber o Messias e aceitá-lo quando Ele se manifestasse.

O que significava o cardápio da ceia da Páscoa:
-o cordeiro - a figura do Messias, 'o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo' João 1.29 - comendo o cordeiro, o adorador interiorizava a justiça do Messias. O 'corpo' perfeito do Messias era colocado dentro do crente.

-ervas amargas - apontavam para o sofrimento do Messias; o Rei dos Judeus, seria um rei sofredor, que sofre no lugar dos seus súditos e coloca Sua vida em favor dos pecadores.

-pão sem fermento - apontava para a vida sem pecado do Messias; Ele seria o substituto do ser humano, não só na sua morte, para também na sua vida. A vida perfeita do Messias era depois atribuida ao pecador [Romanos 5.19].

-vinho sem fermento - apontava para a morte do Messias; era uma morte expiatória ou a fim de pagar pelos pecados dos humanos. Daí o vinho ser sem fermento. Somente a vida sem pecado do Messias satisfazia a condenação da Lei. O Inocente e Justo, pagando a dívida do pecador.

Diante de todo esse quadro, quando Jesus morre na cruz do calvário, cumprindo toda essa imagística da profecia, Ele, Jesus, cumpre o propósito da Páscoa.

Por isso Paulo diz - "Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós" 1Corítios 6:9.

Jesus é a nossa Páscoa. E a Santa Ceia foi instituída como celebração a partir da vida de Jesus.

Não existe sentido os cristãos se desejarem Feliz Páscoa se Jesus é a nossa Páscoa. Ele cumpriu a festa e seus simbolismos.

A Páscoa como foi originalmente instituída, não existe mais. Jesus é a nossa Páscoa.

Se você se pauta pelos conceitos bíblicos, tem de se satisfazer com essa realidade.

Na última Festa da Páscoa comemorada por Jesus com seus discípulos [João 13:1-20], Ele institui OUTRA cerimônia no lugar.

A Santa Ceia foi instituída a partir dos simbolismos da Páscoa Original. Jesus na Santa Ceia mantem o Pão sem fermento e o Vinho sem fermento [1Coríntios 11.23-26].

A isso também Jesus acrescenta uma rotina das casas dos judeus do primeiro século, como sendo uma parte dessa cerimônia - O Lava-Pés [João 13.4-14].

Na fala de Jesus - "vós deveis lavar os pés uns dos outros" v14 temos o mandamento desta cerimônia.

Isso se constitui a Santa Ceia, ou a festa que tomou o lugar da Páscoa. Assim como o Papai Noel, sinto dizer, que Páscoa não existe mais.

Os que gostam de associar a Páscoa à religiosidade, fazem isso por cultura católica, mas não é um costume bíblico ou cristão propriamente.

É contraditório, no mínimo, um cristão desejar Feliz Páscoa. Pois Jesus é nossa Páscoa. E a festa que Ele instituiu no lugar, substituindo a antiga Páscoa, foi a Santa Ceia.

Mais grave ainda é pais cristãos associarem essa fábula ao sentido da páscoa; nossas crianças deveriam ser ensinadas, nessa época, a terem o pensamento crítico, a pensarem biblicamente e optarem por coisas saudáveis, e não chocolate.

A Páscoa que hoje existe é um comércio de um simbolismo [ovos de chocolate] de uma fábula. Cristãos que se submetem a esses símbolos de Coelhos, chocolates, Papai Noel etc, são marionetes do mundo. Copiam o mundo e perdem o sentido como crentes.

É nesse sentido que Paulo apela para os cristãos - "rejeita as fábulas profanas e velhas, e exercita-te a ti mesmo na piedade" 1Timóteo 4:7

Na sua igreja provavelmente houve ou haverá uma Santa Ceia; porque Jesus é a nossa Páscoa.

Não deturpe o evangelho, mas pregue como ele o é na Bíblia. Rejeite as fábulas profanas.

Depois disso tudo, faz sentido pra você, dizer: Feliz Páscoa!?

LEIA TAMBÉM:
O Chocolate Nosso de Cada Dia

Cristãos Comemoram a Páscoa?

A Ilusão da Páscoa

A ERA DA PÓS-VERDADE


A era da Pós-Modernidade está sendo substituída por outra fase da humanidade, a Pós-Verdade.

"O Dicionário Oxford (Oxford Dictionaries) escolheu post-truth, "pós-verdade", como palavra internacional do ano de 2016, refletindo o que chamou de 12 meses "politicamente altamente inflamados".

A palavra é definida pelo dicionário como um adjetivo "relativo a ou que denota circunstâncias nas quais fatos objetivos são menos influentes na formação da opinião pública do que apelos à emoção e à crença pessoal".

Casper Grathwohl, da Oxford Dictionaries, disse que "pós-verdade" poderia se tornar "uma das palavras que definem nosso tempo". Fonte: BBC

A história humana pode ser dividida em eras:
- a Era das Descobertas - 1500 a 1700
- a Era da Modernidade - 1700 a 1900
- a Era da Pós-Modernidade - 1900 a 2000
- a Era da Pós-Verdade - 2000 em diante

A Pós-Modernidade postulou que a Verdade seria relativa; cada indivíduo possui a sua própria interpretação para a verdade em diversas áreas da vida.

A expressão 'Pós-Verdade' "ganhou popularidade nas campanhas do plebiscito do Brexit e da eleição americana, ambas marcadas pela disseminação de notícias falsas nas mídias sociais e de mentiras por candidatos ou figuras-chave de campanha." Fonte: BBC



Veja que o termo foi cunhado a partir da valorização de informações não verdadeiras mas que determinam a opinião do público.

É a interpretação de alguém sobre um fato ou uma história, que apesar de não ser comprovada se constituiria relevante. "Em setembro, o termo ganhou proeminência com uma matéria de capa da revista britânica The Economist intitulada "Arte das Mentiras: Política pós-verdade na era das mídias sociais". Fonte: BBC

A era da Pós-Verdade é caracterizada por afirmações a partir da aparência dos fatos e não da verdade propriamente. Se você enxerga algo como suspeito e sua interpretação imagina algo sobre isto, esta seria a sua opinião e verdade!

"O artigo citava como exemplo de "política pós-verdade" a informação disseminada na campanha pelo Brexit de que a permanência da Grã-Bretanha na União Europa "custava 350 milhões de libras por semana aos cofres públicos" e que o dinheiro - após a eventual saída do bloco - seria destinado ao serviço público de saúde. Para a revista, o candidato (e depois presidente eleito dos EUA) Donald Trump seria "o expoente máximo da política pós-verdade", graças a afirmações como as de que o certificado de nascimento de Barack Obama seria falso, ou de que o pai de seu rival republicano Ted Cruz teria estado com Lee Harvey Oswald antes do assassinato de John Kennedy, replicando uma história não comprovada publicada por um tabloide americano." Fonte: BBc

A 'inverdade' ou algo mentiroso forjado como verdade é o grande argumento de nossa era. É uma lógica imaginária, até visível e aparente, mas que não se trata da verdade.

Na era da Pós-modernidade, essas afirmativas eram 'politicamente incorretas' mas agora elas fundamentam as escolhas dos povos e nações. Donald Trump foi eleito a partir de afirmações geradas com esse tipo de pensamento.

Se você parece extremista é assim que você será tratado. Se você parece suspeito é assim que você será visto por todos.

A Verdade deixou de ser o parâmetro para a aparência dos fatos determinaram as decisões.

"Segundo Gratwohl, "pós-verdade" vem há algum tempo encontrando sua sustentação linguística "graças à ascensão das mídias sociais como fonte de notícias e uma crescente desconfiança dos fatos oferecidos pelo establishment". Fonte: BBC

Agora imagine isso trazido para o contexto da religião. 


HOLLYWOOD E O FALSO PROFETA

O Apocalipse fala do 'Falso Profeta' [13.6; 19.20; 20.10] e ele tradicionalmente é interpretado como o Protestantismo Apostatado.

O 'Falso Profeta' é um dos personagens apocalípticos que os EUA transveste no papel de protagonista junto com a primeira besta ou Papado. [Leia aqui]

O Protestantismo Apostatado se faz 'Falso Profeta' por que ele assume a imagística dos falsos profetas do Antigo Testamento que pretendiam falar em nome de Deus mas falavam mentiras e desencaminhavam o povo.

Hollywood aqui aparece como um 'vidente' e surpreendentemente tem acertado nas previsões dos roteiros de filmes e séries.

A seguir a reportagem imparcial da BBC que indica Hollywood como o grande vidente do momento:


"Essa cena de "Os Simpsons" mostrando Trump efetivamente como presidente é de 2015; mas um episódio de 2000 também o havia citado no comando da Casa Branca.

No cinema, na TV e na música, a possibilidade de Donald Trump se tornar presidente americano já havia sido levantada bem antes até mesmo de a corrida presencial começar.

A eleição do republicano fez com quem muitos fãs do desenho Os Simpsons lembrassem sobre um episódio antigo em que o bilionário governava os Estados Unidos.

Em Bart to the Future, que foi ao ar em 2000, Lisa acaba de assumir a Presidência americana e está na Casa Branca explicando a situação do país. "Herdamos uma grave crise orçamentária do presidente Trump", diz ela.

Então ela pergunta ao secretário de Estado, seu amigo de infância Milhouse, qual a gravidade das finanças americanas após o governo Trump. E ele responde: "O país está quebrado."

Em uma entrevista concedida no começo deste ano, o roteirista do programa Dan Greaney descreveu o episódio como "um alerta para os Estados Unidos".

"(A ideia de ter Trump como presidente) Nos pareceu algo lógico para mostrar a última parada antes do fundo do poço. Era consistente com a visão de um país beirando à loucura", disse Dan ao site Hollywood Reporter.

"Precisávamos de uma situação em que Lisa tivesse problemas além de sua capacidade de resolução, e que tudo desse o mais errado possível. Foi por isso que colocamos Trump como o presidente antes dela."


Episódio do ano passado faz referência à "entrada" que Trump de fato fez no dia em que anunciou sua candidatura, surgindo em uma escada rolante.

A série voltou a fazer referência ao bilionário no ano passado, logo após ele ter anunciado que iria concocorrer à Presidência.

O episódio Trumptastic Voyage satiriza o anúncio da candidatura do republicano e o mostra em uma escada rolante com Homer Simpson - em referência à "entrada" que o candidato de fato fez no dia em que anunciou sua candidatura ao lado da mulher, Melania.

No início deste ano, Os Simpsons apoiaram oficialmente a candidata Hillary Clinton em um vídeo no qual Homer e Marge aparecem discutindo em que votar - e acabam se decidindo pela democrata, derrotada nesta semana pelo bilionário.

Mas não foram apenas Os Simpsons que "previram" o governo Trump. Em 1999, um clipe da banda de rock americana Rage Against the Machine também fez alusão a uma tentativa de Trump para chegar à Casa Branca.

No clipe da música Sleep Now in the Fire, um homem é visto segurando um cartaz onde se lê "Donald J. Trump para presidente".

Naquela época, Trump havia tentado se lançar pelo Partido Reformista, mas retirou sua candidatura em fevereiro de 2000 - nove meses antes da eleição.


Um clipe do Rage Against The Machine divulgado em 1999 foi dirigido por Michael Moore. O vídeo foi dirigido pelo documentarista Michael Moore, que recentemente abordou diretamente a hipótese de Trump se tornar presidente.

Moore lançou um documentário no início deste ano chamado TrumpLand, no qual ele alertava para os riscos de sua potencial eleição.

O documentarista também postou um texto em seu site intitulado "Cinco razões pelas quais Trump vai vencer" - mas a essa altura esse cenário já era bem mais realista do que na época na qual ele dirigiu o clipe do Rage Against the Machine, 17 anos antes.

Biff Trump?
Outra "previsão", dessa vez um pouco menos direta, ocorreu no filme De Volta para o Futuro 2, de 1989 - 27 anos antes da eleição de Trump.

O vilão da trilogia, Biff Tannen, acaba se tornando um empresário de sucesso, o que o leva a abrir um cassino e a usar seu dinheiro para influenciar a política americana.

O roteirista do filme confirmou, no ano passado, que o personagem foi em parte baseado, sim, em Trump. Biff, inclusive, usa o dinheiro que ganha dos cassinos para influenciar o Partido Republicano, antes de acabar ele mesmo obtendo poder político.

Roteirista de 'De Volta para o Futuro 2' confirmou que Biff, o vilão da série, foi inspirado em Trump."
Fonte: BBC.

Essas 'previsões' deveriam despertar algumas perguntas:

Quem está atrás dessas previsões de Hollywood?
Se as previsões são sobrenaturais, o que dizer do conteúdo dos filmes de Hollywood?
O que se pretende com essas previsões sobre a 'fé' e credulidade dos fãs?
Filmes de Hollywoo ainda continuam inocentes e saudáveis?
Filmes de caráter sobrenatural [mesmo que sejam comédias] são bons em si mesmos?

Pense sobre isso.

POST RELACIONADO COM ESTE QUE VOCÊ LEU:
A Extrema Direita [de Trump] no Tempo do Fim
O Tempo do Fim e os Enganos Satânicos