A EXEGESE DE OBAMA

Em um discurso sobre a diversidade americana e a fé, Obama levanta algumas questões que precisam ser clarificadas.


Não pretendo responder, mas argumentar (no mesmo tom) e se você tem alguma contribuição, vamos rebater juntos essa pretensiosa postura do presidente americano.

1ª Questão – Que cristianismo vamos ensinar em nossas escolas?

Que tal o de Jesus Cristo.

2ª Questão – Que passagens deveriam instruir nossas políticas públicas?

A política não é da alçada da Bíblia; ele deveria manter seu estado separado da igreja e seus assuntos.

3ª Questão – A escravidão é sugerida em Levítico?

Os artigos de Levítico regem a ordem social vigente na época. Como foi citado no ‘post’ anterior, leis civis e artigos similares estão sujeitos ao governo atual.

4ª Questão – Comer frutos do mar é aceitável?

Se os artigos de saúde de Levítico sobre frutos do mar estiverem fora de época (Levítico 11) a Bíblia também esta errada ao não recomendar também a ingestão de gordura animal (Levítico 3:17) – precisamos avisar isso aos cardiologistas e nutricionistas.

5ª Questão – Devemos apedrejar os filhos por se desviarem da fé?

A pena de morte era uma prerrogativa daquele povo nômade e que vivia na idade da pedra. Era uma jurisdição Teocrática e Deus executava seu juízo de forma imediata.

6ª Questão – Devemos ficar com o sermão da montanha?

As máximas de paz e tolerância do primeiro sermão de Jesus são chacoteados pelo Nobel da Paz de 2009... Deus um dia irá pedir contas a Obama, como fez com Nabucodonosor. Obama recebeu o prêmio Nobel da Paz em plena Guerra do Iraque. Em quem vamos acreditar?

7ª Questão – As propostas da Bíblia devem estar sujeitas a discussão e ser influenciáveis pela razão?

A Bíblia é a Palavra de Deus. Suas orientações são para a humanidade. Ela foi escrita por homens de diferentes épocas, mas “toda escritura é inspirada e útil” 2 Timóteo 3:16. Quando Paulo, o teólogo inspirado da igreja primitiva, escreveu isso só existia o Antigo Testamento. Ele se referia a ‘todo’ Antigo Testamento.

A Bíblia não deve ser discutida, mas seus princípios aplicados. Atrás de cada artigo da Lei ou ensinamento há um princípio.

A razão humana não é apta para julgar o que é válido ou não. Tudo deve estar sujeito a própria Bíblia – ela responde a si mesma.

8ª Em algum nível fundamental a Bíblia permite negociar algo?

Há artigos da Lei que são inegociáveis até hoje – não matar, não furtar – por quê negociar outros artigos? Alguns artigos podem ser explicados (à luz da própria Escritura) mas nenhum deve ser negociado.

9ª Questão – Se Deus mandasse você sacrificar seu filho (como Abraão) você o faria?

O sacrifício de humanos era comum no novo local que Abrão havia se instalado. O patriarca estava adotando os costumes locais (bigamia etc.) e Deus resolveu mostrar a Abrão que o estilo de vida daquele povo era repulsivo. Deus mimetizou os deuses pagãos pedindo o sacrifício de Isaque.

A prova de fé de Abrão era crer que Deus não era daquela forma. E Deus mostrou isso providenciando o sacrifício correto – o cordeiro – que era predito na Lei.

A prova de Abrão foi sobre o que ele devia fazer e o que devia descartar como costume local. Passamos por essa prova todos os dias.

10ª Questão – Devemos agir de acordo com aquelas coisas que vemos?

“Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem” Hebreus 11:1. O discurso de Obama é sedutor. Mas a Palavra de Deus é Eterna.

11ª A fé é usada como instrumento de ataque?

A fé cristã prega o amor – amor a Deus e amor ao próximo; as duas diretrizes da Lei de Deus. Quando os homens (como Obama) pretenderam interpretar as Sagradas Escrituras e sugerir outras idéias é que surgiram os maiores erros da história. Isto pôde ser evidenciado na Idade Média.

O discurso de Obama é um reflexo do pensamento pós-moderno. Mas isso não deve impressionar os cristãos. Os argumentos podem ser lógicos, atuais e sedutores.  "mas a palavra de nosso Deus permanece eternamente" Isaías 40:8.

video

Nenhum comentário: