A VERDADEIRA IDENTIDADE DO PAPAI NOEL


O Papai Noel ou Santa Clauss como é conhecido nos EUA, tem um passado muito distante, mais do que você pode imaginar.

Seu verdadeiro nome é Santo Nicolau ou Saint Nicholas, mais próximo do Santa Claus americano.

Trata-se de um santo católico de 1700 anos, do terceiro século na Europa.
Nascido em Patera na Turquia, Nicholas foi o filho de uma família rica que sonhava em ter um menino, mas sua mãe tinha dificuldades em engravidar. Após o nascimento do menino, diz a tradição católica, a criança sempre foi cercada de milagres e graças especiais. Sua mãe o privava do leite mesmo nos dias do jejum cristão às quarta e sextas.
Logo se tornou monge, padre e aos 30 anos Bispo em Mira. Se tornou conhecido por seu senso de justiça em proteger os inocentes. Quando sabia de uma família passando por necessidades, jogava moedas de ouro embrulhadas em algum pano, pela janela das casas; como as pessoas costumavam secar as meias nas janelas, as moedas acabavam caindo dentro das meias, vindo daí o costume dos presentes dentro das meias no natal...

Entregava presentes escondido e gostava de satisfazer os desejos das pessoas pobres.
No Concílio de Nicéia em 334, esbofeteou um bispo ariano por discordar da divindade de Jesus.

Morreu em 06 de Dezembro de 343 em Mira, e do seu túmulo escorria um líquido viscoso que curava enfermos e paralíticos.
Tornou-se um Santo popular, embora nunca fosse canonizado oficialmente pela igreja católica; muito popular entre os comerciantes e marinheiros da idade média. Mas é padroeiro das crianças também, depois do relato de um milagre de ressuscitar 3 crianças que teriam sido esquartejadas, e depositadas em tonel de conservas, por um dono de pensão. Diz a tradição que São Nicolau apareceu na pensão e deu ordem para as crianças saírem do tonel, e verificou-se estarem vivas e intactas. Depois desse relato ser espalhado pela Europa antiga, o Bispo se tornou muito popular com as crianças.

Freiras francesas passaram a distribuir doces para as crianças no dia 6 de dezembro em comemoração ao dia do padroeiro. Em 1082 marinheiros italianos roubaram da capela de Mira o corpo do padroeiro e levaram para Bari na Itália, onde até hoje está o corpo e há comemorações anuais. Com a ajuda dos marinheiros italianos em difundir seus milagres durante as viagens, São Nicolau se tornou o santo mais conhecido da Europa. Na idade média havia mais igrejas e catedrais batizadas com o nome deste santo, do que de todos os apóstolos juntos!

Sua popularidade só era superada pelo menino Jesus e a virgem Maria.

Após isso foram inseridas em suas histórias e milagres outros elementos pagãos. A figura do deus alemão Voldan que voava pelo céu em uma biga, e observava se as pessoas eram boas ou más, foi mesclada a de São Nicolau; daí deriva o elemento da história de Santa Clauss, ou do Papai Noel, que voa em um trenó de renas e observa as crianças com um telescópio, fazendo uma lista das crianças boas e más.

A associação do Santa Clauss, ou São Nicolau ao natal foi feita a partir do hábito pagão de se presentear as pessoas no natal cristão. Inicialmente uma festa religiosa, os elementos pagãos foram sendo introduzidos com o passar do tempo e popularidade da festa. Outros elementos como a arvore e oferendas (presentes) debaixo dela, foram introduzidos.

A partir daí a literatura e a mídia do século 19 foram associando vários outros elementos como os duendes, o pólo norte, as renas mágicas etc. Mas a figura do Bispo vestido do vermelho característico do vaticano permaneceu, com alguns detalhes pagãos acrescidos ao modelo da roupa.

Ainda no século 19 as lojas americana associaram essa imagem do velhinho que dava presentes, às vendas nas lojas, quase que obrigando os pais a manterem a tradição de se dar presentes as crianças – o vínculo comercial estava feito.

Em 1930 a Coca-Cola contratou um figurinista que desenhou o papai noel que você conhece: gordo, corado, com barbas brancas e muito alegre. O sucesso foi explosivo. Papai Noel ou Santo Nicolau, estava no mercado de tudo e de todos definitivamente...
Não pense que a figura de um santo católico, justamente em cima da figura do menino Jesus no natal, seja mera coincidência... as crianças não sabem mais quem foi Jesus, mas certamente sabem que é o Papai Noel. Só ignoram que isso é uma tradição católica reavivada no mais alto estilo capitalista.

Não há nada de cristão nesses símbolos ou costumes; papai Noel não se trata de cultura mas sim de tradição católica. Apesar de ter sido um bispo, Nicolau foi católico e seguia as tradições de sua igreja, da qual os protestantes e evangélicos se separaram.

Nestas festas de final de ano, lembre-se de comemorar algo com o verdadeiro espírito de natal – lembre-se e conte a história de Jesus.

ANOREXIA ESPIRITUAL


A anorexia é a “perda ou diminuição do apetite”; há ainda a definição de anorexia nervosa como “diminuição da alimentação por recusa do alimento ou perda do apetite que se observa em pacientes com distúrbios psicopáticos”( Delamare, 1984).

Anorexia é um distúrbio psíquico desenvolvido principalmente em mulheres jovens de 15 a 20 anos; a paciente obcecada pelo modismo de se ter um corpo magro e “belo” nos padrões da alta moda, reeduca sua mente para rejeitar todo e qualquer tipo de alimento. A Anorexia se torna “nervosa” ou a forma letal, devido ao estresse causado por rotinas de trabalho, no caso das modelos ou por um relacionamento em perigo, devido aos padrões impostos pelo parceiro.

Por amor a “beleza” física, ou do que ela imagina ser o corpo belo, impõe o sacrifício de abster-se de alimento ao ponto de morrer por desnutrição. As pessoas com anorexia não sentem fome, ou desejo pela comida mais simples. São pessoas que reeducaram suas mentes por um falso padrão e persistem em perseguir a “beleza” estética de ser magro ou ter um corpo de acordo com as exigências da alta moda.

No estágio final de sua existência, as pessoas anoréxicas estão magérrimas, um esqueleto vivo; muitas delas se fotografam e exibem aquilo que elas imaginam ser o ideal – um corpo cadavérico. Seus ossos podem ser contados, tem uma aparência doentia, estão horríveis e não são mais atraentes, mas o falso padrão ilusório que se impuseram, lhes cega ao ponto de continuarem a não se alimentar e definhar até a morte. A morte lhes é atraente; o corpo cadavérico lhes parece lindo.

Se pudéssemos ver nossa natureza espiritual também teríamos uma visão como esta. Muitas pessoas que hoje vemos como atraentes, bonitas e bem vestidas estariam cadavéricas ou mumificadas pela anorexia ou fome espiritual. Muitos de nós sobrevivemos apenas com um alimento que recebemos quando conhecemos o evangelho, e dali por diante nossa vida espiritual é de inanição, anorexia, desnutrição. A rotina de comunhão diária de alguns se limita a poucos minutos de leitura e segundos de oração. Outros simplesmente não lêem ou sequer oram.

Faça um teste e comece a anotar o tempo que passa lendo sua lição, a Bíblia e orando; você vai se surpreender. Talvez você vá diagnosticar uma profunda desnutrição; outros estarão em inanição. O quadro clínico de uma pessoa anoréxica, é muito semelhante ao da pessoa anoréxica espiritual, pois ela não percebe que está caminhando para a morte.

Os anoréxicos espirituais estão sob um falso e ilusório padrão que este mundo lhe impuseram; perseguem um padrão mundano de beleza e materialismo e não lhes sobra tempo para ler, estudar a palavra de Deus e muito menos orar. Muitos já não sentem o desejo de orar. Há muitos que não sentem vontade ou sequer prazer nenhum em ler e ouvir a Palavra de Deus. Estão para morrer espiritualmente.

Há aqueles anoréxicos que acham que este tipo de vida espiritual é o ideal e aos seus olhos não há mal algum; no entanto são almas cadavéricas. Só há uma solução para estes – “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”. (Mateus 11:28) “Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede...” (Apocalipse 7:16). “Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos” (Mateus 5:6).

VOCÊ É UM SÓCIO OU MEMBRO?


Há muitos clubes e eles se caracterizam pelas vantagens que oferecem. As pessoas se tornam sócias justamente para desfrutar de sua infra-estrutura, seus benefícios e principalmente da companhia das pessoas que são sócias dali.

Muitas igrejas se tornaram clubes. As pessoas vão até ali, não mais para um contato com a Divindade, mas para ter a companhia dos que freqüentam ali.

Faça o seguinte teste e identifique se você é um adorador ou um sócio; conte os pontos em que você se identifica como sendo semelhante ao seu comportamento na igreja:
1. Chegar tarde
2. Não trazer Bíblia, hinário e lição da Escola Sabatina.
3. Vestuário: mulheres roupas sensuais; homens: roupas esportivas.
4. Ficar do lado de fora, conversando e se sociabilizando durante a programação.
5. Não participar do ato litúrgico – não cantar, não orar; distrair-se com celular durante o sermão.
6. Se concentrar nas pessoas, suas roupas, seus carros, seus acompanhantes.
7. Estar ali para combinar encontros, festas, saídas e passeios.
8. Atender ligações telefônicas e não se importar em o fazer durante o culto.
9. Conversar durante a programação.
10. Não possuir vínculos com a igreja (cargos ou funções).

1 a 3 pontos – VOCÊ É UM MEMBRO DESCUIDADO
4 a 6 pontos – VOCÊ ESTÁ NA TRANSIÇÃO DE MEMBRO A SÓCIO
7 a 8 pontos – VOCÊ É UM SÓCIO
9 a 10 pontos – VOCÊ É UM SÓCIO DE CARTEIRINHA

O convívio social da igreja, não salva o indivíduo. É a comunhão com a Divindade que determina a Salvação. Se você percebeu que seu comportamento se assemelha a de um sócio, mude de atitude. A igreja é o local onde vamos para ter contato mais direto com Deus e expressar coletivamente nossos sentimentos espirituais – fé, esperança e louvor.

A igreja é sem dúvida um ambiente social; é ali que nos reunimos como “irmãos” em Cristo. A vida social da igreja também deve existir, mas para isso existem outros elementos na programação da igreja, e devem ser nestas situações que as conversas, o convívio e a sociabilização deve ocorrer.

Os Pequenos Grupos, o Culto Jovem, a Hora Social, os passeios em meio a natureza e dezenas de outras programações se estiverem ausentes irão fazer com que os membros (os mais jovens) procurem uma sociabilização durante os cultos.

Faça da sua igreja o melhor lugar do mundo.

CELULAR NAS IGREJAS


No século 18, na época do ‘faroeste americano’ as pessoas andavam com um revolver na cintura e isso determinava o status e poder do indivíduo. Hoje os celulares estão na cintura; e são eles que determinam quem é o xerife ou o mocinho. A comunicação é o poder do novo século.

As pessoas exibem um celular para ostentar poder aquisitivo, influência e até mesmo beleza estética. O aparelhinho é uma fascinação para todos de qualquer idade e sexo. Não ter um deles é estar excluído do mundo digital em que se transformou o nosso planeta.

Mas é correto entrar com os aparelhos nos cultos da igreja? Basta deixar o aparelho no ‘vibrador’ e apenas verificar quem está ligando? E quanto às mensagens eletrônicas, notícias, jogos, internet e outras opções que o usuário dispõe?

No último sábado eu estava sentado ouvindo um sermão que precedia uma cerimônia da Santa Ceia; o discurso era solene, pois preparava os membros para o Lava-Pés e a Ceia do Senhor. Um jovem à minha frente, na outra coluna de bancos, retirou o seu celular e se manteve entretido durante um bom tempo.

Há muitas coisas que nos podem tirar a atenção da liturgia de um culto. O celular é a mais nova opção. Sem mencionar o transtorno quando um deles entra ligado, e permanece tocando durante a programação que se segue na igreja. E são as mais variadas ‘músicas’, que muitas vezes nos tiram da realidade do culto.

O culto da igreja deve ser um momento separado em nossa vida; são horas sagradas, santas, separadas para Deus. Nada deve tirar nossa atenção ou desviar nossos pensamentos do processo litúrgico e da exposição da Palavra. Entrar com o celular ligado dentro da igreja é falta de respeito às demais pessoas que estão ali para meditar e orar, e falta de percepção daquilo que é sagrado.

Não se permita seduzir pela falsa ilusão e ostentação que o aparelhinho causa. Deixe o celular em casa nos dias de culto. Desligar muitas vezes não é o bastante; por vezes ao religarmos o aparelho uma enxurrada de informação tira a paz mental e atmosfera sagrada de um sábado.

Há muitas pessoas que afirmam não poder se manter longe do celular devido ás responsabilidades de trabalho, mas é preciso “cessar” todas as preocupações durante os cultos e aos sábados. Permanecer conectados as coisas destes mundo em tais situações é permitir que a alegria da presença de Deus se ausente em nossa vida.

“Se desviares o teu pé do sábado, de fazer a tua vontade no meu santo dia, e se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do SENHOR digno de honra, e se o honrares, não seguindo os teus caminhos, nem pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falar as tuas próprias palavras,
então, te deleitarás no SENHOR...” Isaias 58:13 . “Mas alegrem-se os justos, e se regozijem na presença de Deus, e folguem de alegria”. Salmos 68:3